Página inicial do sítio > Informação > Notícias (Press Review) > Comunidade Lusófona de França (Noticias) > Um cosinheiro português suspeito de omicide em Paris...

Um cosinheiro português suspeito de omicide em Paris...

sexta-feira 2 de Janeiro de 2009, por Mehdi Soares

Todas as versões deste artigo : [français] [Português]

O 23 Dezembro de 2008, um cosinheiro português do Luxemburgo suspeito de crime sobre duas mulheres asiaticas numa rua da capital francesa...


Source AFP

O assassiono presumido de prostitutas tailandesas postas em exame e detido...

Um cozinheiro português domiciliado no Luxemburgo, suspeitado de crime sobre duas prostitutas tailandesas terça-feira em Paris, foi posto em exame e colocado sob mandato de depósito segunda-feira noite após dois dias de guarda à vista no curso dos quais passou às confissões.

Este homem, de 36 anos, foi posto em exame segunda-feira noite pelo juiz Fabienne Pous para “assassinatos agravados pela comissão de voos” e colocado sob mandato de depósito, em conformidade com requisitar do ministério público.

O interpelado sábado manhã no bairro parisiense de Saint-Germain-des-Près (Vida), homem, desconhecido dos serviços de polícia, tinha passado às confissões na noite de Domingo à segunda-feira, durante a sua guarda à vista nas salas da brigada criminosa.

As duas jovens mulheres tinham sido descobertas "poignardées" terça-feira 23 de Dezembro pouco antes de 20h00 num edifício do
15 da rua de Crussol (XIe). Viviam na França desde Abril e Novembro de 2007 em situação irregular e entregavam-se à prostituição, de acordo com a polícia.

O ministério público de Paris e a polícia judicaire parisiense já tinham feito estado, Domingo durante uma conferência de imprensa, “de despesas importantes que pesam sobre esta pessoa”, menos de uma semana após o duplo-homicídio.

“Elementos objectivos, como uma parte butin, em todo caso dos efeitos pessoais roubados nas vítimas foram descobertos na câmara de hotel do suspeito e a arma presumida do duplo homicídio (uma arma branca) foi reencontrada igualmente em sua possessão”, explicada nomeadamente o chefe da secção criminosa do ministério público, Naïma Rudloff.

O cozinheiro roubou 1.500 euros e os telefones portáteis das vítimas dos quais desembaraçou-se rapidamente. “É um dos elementos que nos permitiu subir até ele, com o seu portátil”, revelou o subdirector da polícia judicial parisiense, Philippe Bugeaud.

“A pista que parece perfilar-se é a do cliente, o homem foi um dos últimos clientes destas duas jovens mulheres tailandesas que se entregavam à prostituição neste apartamento” onde elas viviam, acrescentando a magistrate, sublinhando que “as circunstâncias e as condições da passagem para o acto” debem ser precisada.

De acordo com o Sr. Bugeaud, o cozinheiro português tinha encontrado estas jovens mulheres “por meio de anúncios que encontra-se na rua com um número de telefone”. “O contacto é tomado por telefone e estabelecido rapidamente sobre uma base comercial”, precisado o polícia.

“O indivíduo reconheceu que tivesse-se tornado sobre os lugares, que tivesse tido um encontro galant e após, as coisas passaram-se mal. Mas permanece pontos ainda escuros”, tinha acrescentado o Sr. Bugeaud, citando nomeadamente a pergunta da premeditação, das condições exactas da passagem para o acto ou o uso de produtos espantosos pelo mortífero presumido.

Residante no Luxemburgo, o homem tinha vindo passado as festas em Paris onde habitava num hotel.

“Vivia na França anteriormente e tinha tido uma relação estável durante três anos com uma jovem mulher e, desde Janeiro de 2008, estava em ruptura sentimentale”, tinha indicado a Sra. Rudloff, precisando que esta ruptura contribuí sem dúvida para a sua "nomadisação" e "désocialisação".

Mehdi Soares


PortugalVivo

Tous droits réservés (Portugal Vivo®) Ce site ainsi que sa charte graphique sont protégés par un copyright© international qui interdit toutes reproductions mêmes partielles.
La société Portugal Vivo® est habilitée à poursuivre toutes personnes morales ou physiques violant le copyright©
Dans le cadre de la revue de presse, Portugal Vivo utilise des articles ou photos dont il nâ€â„¢est pas lâ€â„¢auteur. Ces éléments restent la propriété de leur auteur. Portugal Vivo cite systématiquement le journal source avec un link vers celui-ci.
Mentions Légales : PORTUGAL VIVO - 102 avenue des Champs Elysées, 75008 Paris - France | SARL au capital de 15.000 ââ€Å¡¬uros - R.C.S. Paris B 441 119 286 | Représentant Légal : Jorge Loureiro | email : net@portugalvivo.com