Accueil > Informação > Notícias (Press Review) > Portugal (Notícias) > Turismo de Portugal: “A maior campanha [de promoção turística] feita para (...)

Turismo de Portugal: “A maior campanha [de promoção turística] feita para Portugal foi a da troika”

terça-feira 7 de Abril de 2015, par Jornal de Negócios

Todas as versões deste artigo : [français] [Português]

Para a promoção de Portugal, a aposta no canal “online” e nas histórias será a chave. O Turismo de Portugal recusa assim a política de campanhas levada a cabo em anos anteriores.




As campanhas de promoção turística não são o caminho para promover o destino Portugal. Essa é a convicção de Luís Matoso do Turismo de Portugal.
 
"A maior campanha [de promoção turística] feita para Portugal foi a da troika", afirmou o responsável durante um encontro com hoteleiros esta terça-feira, 7 de Abril, em Lisboa.
 
Durante a apresentação do plano de marketing do organismo para 2015, Matoso defendeu que a "comunicação só é relevante se tiver diferenciação". Em Portugal, o golfe e o surf surgem como os grandes destaques.
 
É preciso evitar "erros do passado" e chamar a atenção dos empresários para uma comunicação assente nas histórias, no canal "online" e nas relações com a imprensa. "É um mito a história da campanha", reforçou.
 
Para Luís Matoso, Portugal não deverá ambicionar concorrer com países dez vezes maiores. "O cão pequeno não se mete com o cão grande", exemplifica. Tendo em conta as alterações nos hábitos dos turistas europeus, o foco nacional não terá de passar pelo turismo de luxo, defendeu.
 
O orçamento do Turismo de Portugal para 2015 prevê 47 milhões de euros para a actividades de promoção e comercialização externa, com pesos a distribuir-se de uma forma quase semelhante. A este valor, acresce o montante fixado no recente protocolo entre a entidade e a ANA Aeroportos.
 
"Poupemos esse dinheiro [ao despertar os turistas estrangeiros para a existência de Portugal] e organizemos a casa", apelou o responsável do Turismo de Portugal. Os hoteleiros dizem-se dispostos a abraçar a causa.
 
Ainda assim, "há um longo caminho a percorrer para a estabilização económica das empresas", conta Luís Veiga, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal. Nesta semana, foi tornado público um relatório da Comissão Europeia que dá conta que 60% das empresas nacionais de hotelaria e restauração encontram-se em alto risco de falência.

por Wilson Ledo

Jornal de Negócios


PortugalVivo

Tous droits réservés (Portugal Vivo®) Ce site ainsi que sa charte graphique sont protégés par un copyright© international qui interdit toutes reproductions mêmes partielles.
La société Portugal Vivo® est habilitée à poursuivre toutes personnes morales ou physiques violant le copyright©
Dans le cadre de la revue de presse, Portugal Vivo utilise des articles ou photos dont il nâ€â„¢est pas lâ€â„¢auteur. Ces éléments restent la propriété de leur auteur. Portugal Vivo cite systématiquement le journal source avec un link vers celui-ci.
Mentions Légales : PORTUGAL VIVO - 102 avenue des Champs Elysées, 75008 Paris - France | SARL au capital de 15.000 ââ€Å¡¬uros - R.C.S. Paris B 441 119 286 | Représentant Légal : Jorge Loureiro | email : net@portugalvivo.com