Página inicial do sítio > Informação > Notícias (Press Review) > Portugal (Notícias) > OCDE: Salário mínimo deve ficar "inalterado" até haver "sinais claros de (...)

OCDE: Salário mínimo deve ficar "inalterado" até haver "sinais claros de recuperação"

terça-feira 8 de Julho de 2014, por Lusa

Todas as versões deste artigo : [français] [Português]

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) considera que o Governo deve manter "o valor do salário mínimo inalterado" até que haja "sinais claros de recuperação" do mercado de trabalho, segundo um relatório hoje publicado.


Lisboa, 08 jul (Lusa) - A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) considera que o Governo deve manter "o valor do salário mínimo inalterado" até que haja "sinais claros de recuperação" do mercado de trabalho, segundo um relatório hoje publicado.

No relatório ’Portugal: consolidação da reforma estrutural para o apoio ao crescimento e à competitividade’, hoje divulgado e feito a pedido do Governo português, a OCDE recomenda às autoridades portuguesas que "mantenham o valor do salário mínimo inalterado até que existam sinais claros de recuperação do mercado de trabalho".

Em relação à solidariedade social, a OCDE considera que a consolidação orçamental tem sido feita de modo "relativamente equitativo", mas refere que a melhoria na distribuição do rendimento concentrou-se no período de 2007 a 2009 e que, "desde então, pouco variou, mantendo-se estagnada num nível elevado".

O documento, que atualiza um relatório sobre a economia portuguesa de 2013, destaca ainda que, apesar de as políticas de consolidação orçamental terem "transferido de uma forma genérica a maior parte dos encargos para as famílias de elevado rendimento, as simulações sugerem que o grupo com menor rendimento sofreu também perdas significativas no rendimento disponível".

Lusa


PortugalVivo

Tous droits réservés (Portugal Vivo®) Ce site ainsi que sa charte graphique sont protégés par un copyright© international qui interdit toutes reproductions mêmes partielles.
La société Portugal Vivo® est habilitée à poursuivre toutes personnes morales ou physiques violant le copyright©
Dans le cadre de la revue de presse, Portugal Vivo utilise des articles ou photos dont il nâ€â„¢est pas lâ€â„¢auteur. Ces éléments restent la propriété de leur auteur. Portugal Vivo cite systématiquement le journal source avec un link vers celui-ci.
Mentions Légales : PORTUGAL VIVO - 102 avenue des Champs Elysées, 75008 Paris - France | SARL au capital de 15.000 ââ€Å¡¬uros - R.C.S. Paris B 441 119 286 | Représentant Légal : Jorge Loureiro | email : net@portugalvivo.com