Página inicial do sítio > Informação > Notícias (Press Review) > Comunidade Lusófona de França (Noticias) > A ministra francesa que aposta em escritores portugueses

A ministra francesa que aposta em escritores portugueses

sexta-feira 19 de Maio de 2017

Todas as versões deste artigo : [français] [Português]

A composição do novo Governo de Emannuel Macron pode não dizer muito aos portugueses mas há um elemento do novo Executivo que interessa à língua portuguesa e aos escritores nacionais: Françoise Nyssen. Porquê a ministra da Cultura? É proprietária da editora Actes Sud, que entre as várias línguas a que dá atenção nas suas edições está a portuguesa.


Não sendo a editora francesa que reúne o maior catálogo de representantes da nossa literatura, no entanto não deixou de publicar vários romances. É o caso do mítico Gente Feliz com Lágrimas (Des gens heureux parmi les larmes) de João de Melo, ou de O Bom Inverno (Le bon hiver) de João Tordo, e ainda Fanny Owen de Agustina Bessa-Luís.

Os autores portugueses não conhecem pessoalmente a nova ministra, pois as negociações de compra de direitos foram sempre conduzidas por editoras, como é o caso da luso-francófona Alzira Martins, a que mais se relaciona com as referidas vozes nacionais.

Se o escritor João Tordo até desconhecia que a nova ministra da Cultura francesa era a proprietária da sua editora em França, a Actes Sud, o mesmo não deixa de se verificar com João de Melo. Este, recorda-se bem de em tempos ter sido contactado pela editora da a pedir autorização para publicar um dos seus romances mais conhecidos. Não foi a Arles, onde a editora tem sede, mas encontraram-se a meio caminho e o negócio foi fechado. "Algum tempo depois, recebi o livro em Portugal", diz. A razão pela qual foi escolhido para integrar o catálogo da editora da nova ministra também é curiosa, como revela o autor açoriano: "Um leitor gostou muito do meu romance e fez pressão para que fosse traduzido. Ele mesmo o fez, chamava-se Claude Barousse, e nem bei como pois o livro tem muitos termos regionais e nada me perguntou. Mas ficou muito bem, como verifiquei quando o li".

João Tordo é mais lacónico, apesar de ter três livros no catálogo: "Desconhecia que a nova ministra da Cultura francesa era a proprietária da Actes Sud." Entre os autores nacionais encontram-se obras de Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco, Garcia da Orta, Dom Duarte e Fernanda Botelho.

Também não faltam muitos títulos das restantes literaturas da lusofonia, como é o caso da de Moçambique e Cabo Verde, bem como alguns dos mais importantes nomes do Brasil.

A editora era até há uns anos uma pequeníssima firma mas ao comprar antes do sucesso mundial os direitos da trilogia de Stieg Larsson, a saga Millenium, transformou-se numa das mais saudáveis editoras ao nível financeiro. No seu catálogo tem autores como o Goncourt de 2016, Mathias Enard, e a Nobel Svetlana Alexievich.



PortugalVivo

Tous droits réservés (Portugal Vivo®) Ce site ainsi que sa charte graphique sont protégés par un copyright© international qui interdit toutes reproductions mêmes partielles.
La société Portugal Vivo® est habilitée à poursuivre toutes personnes morales ou physiques violant le copyright©
Dans le cadre de la revue de presse, Portugal Vivo utilise des articles ou photos dont il nâ€â„¢est pas lâ€â„¢auteur. Ces éléments restent la propriété de leur auteur. Portugal Vivo cite systématiquement le journal source avec un link vers celui-ci.
Mentions Légales : PORTUGAL VIVO - 102 avenue des Champs Elysées, 75008 Paris - France | SARL au capital de 15.000 ââ€Å¡¬uros - R.C.S. Paris B 441 119 286 | Représentant Légal : Jorge Loureiro | email : net@portugalvivo.com