Página inicial do sítio > Informação > Artes e Letras > Edgar Martins : Portugueses de Diáspora

Edgar Martins : Portugueses de Diáspora

Uma certa quietude

quarta-feira 7 de Novembro de 2007, por Susana Paiva

Todas as versões deste artigo : [français] [Português]

Nasceu, há 30 anos, em Évora mas cedo deixou Portugal rumo a Macau, onde cresceu. Vive, desde 1996, no Reino Unido onde estudou e iniciou um sólido trabalho artístico, aí contribuído activamente para a renovação do conceito de fotógrafo autor. Entre exposições, seminários e edições de livros, Edgar Martins – comissário e autor - não tem mãos a medir.


O que mais impressiona no trabalho de Edgar Martins é um certa quietude nas suas imagens. Oriundo de meios cosmopolitas plenos de ruído visual, com que sempre co-habitou, Edgar encontrou o campo perfeito para o seu olhar na ténue fronteira entre o urbano e o suburbano, esse “não lugar” tão dificilmente operacionalizável. As suas imagens espelham o indizível, criam espaços de projecção para o eu individual, cativam o espectador reservando-lhe o supremo papel da interpretação. Contemplar uma das suas imagens é reportar a um tempo em que o olhar se constitui como factor primordial, onde a técnica, que domina com mestria, se esbate e o lugar à multipla interpretação ganha protagonismo.

Quando Edgar fala sobre o seu trabalho tudo se torna mais claro. Há no seu discurso uma lógica e uma segurança invulgares, uma extraordinária capacidade de transmitir conceitos apenas tangível a quem possui já uma invejável maturidade.

A uma formação de base em filosofia, obtida em Macau, somou Edgar, em Londres, um bacharelato em fotografia e ciências sociais e um mestrado em fotografia e belas artes, obtido no Royal College of Arts.

Ainda hoje sorri quando falando da sua chegada à fotografia defende que a mesma foi, de certo modo, acidental. “A surpresa foi não ter seguido uma carreira literária mas sim uma carreira ligada às imagens”.

Foi em Macau, aos 19 anos, que editou, - fruto das suas múltiplas leituras filosóficas -, o seu primeiro livro intitulado “Mãe, deixa-me fazer o pino”, “um diário de um adolescente em vias de dar os primeiros passos na vida”.

Os seus maiores interesses “foram sempre a filosofia e as ciências urbanas”, a fotografia revelou-se uma consequência natural da sua “escrita baseada em visualizações” que acabou por desenbocar num universo imagético “baseado em questões literárias”.

A sua paixão pelos livros encontrou na fotografia o objecto ideal. Edgar concretizou, com a cumplicidade da editora “The moth house”, o seu sonho de criar obras editoriais “que se afastam do formato tradicional do livro” e onde a liberdade para produzir narrativas específicas vai ao encontro da sua convicção de que “um livro não deve dar demasiada informação ao leitor pois corre-se o risco de acabar por se condicionar a leitura das imagens”.

Hoje Edgar não dispensa o livro na sua lógica de produção artística, defendendo-o como meio maior, que lhe permite conjugar textos e imagens da forma que mais lhe agrada. “Eu trabalho por projectos, O livro é um meio fantástico, um foco tão importante como a exposição”. É também através desse meio que Edgar exerce uma das outras funções que muito lhe agrada, a de comissário, gozando de plena liberdade para convidar quem assim desejar para participar nos seus livros.

Representado por quarto galerias – “La caja negra”, em Madrid, “The Photographer’s Gallery”, em Londres, “The Betty Cuningham Gallery”, em Nova Iorque e a “Galeria Graça Brandão”, em Lisboa e Porto – Edgar Martins tem exposto regular e extensivamente na Europa e na Ásia, coordenando, sempre que possível, seminários sobre os seus projectos e recebido numerosos prémios pelo seu trabalho literário e fotográfico.

Expôs recentemente, na Galeria Graça Brandão em Lisboa, 12 das 50 imagens do seu mais recente projecto “Aproximações”, resultante de uma encomenda da ANA - Aeroportos de Portugal. Em “Aproximações” Edgar evitou uma abordagem documental, continuando fiel à sua linha de trabalho pessoal, com a representação fotográfica dos espaços invisíveis a público, dos aeroportos de Santa Maria, Horta, Ponta Delgada, Flores, Faro, Porto e Lisboa, valorizando assim o “seu lado mais surreal” com claras aproximações aos “não lugares” das suas anteriores séries fotográficas. Ancoradas na “linguagem dos aeroportos” as imagens geram com grande beleza um sentimento de solidão, fora do tempo e do espaço que marca a frenética concepção geral de um aeroporto.

Feliz pelas oportunidades que lhe têm surgido, Edgar continua concentrado no seu trabalho e ocupado como sempre, preparando agora o lançamento da sua nova monografia a lançar pela Aperture Books, em Março de 2008 em Nova Iorque.



- Texto publicado na edição de Março 2007 da revista “Magazine Artes”
- Texto e fotografias de Susana Paiva
- Imagens da série “The accidental theorist” gentilmente cedidas pelo autor

Susana Paiva

www.susanapaiva.com



PortugalVivo

Tous droits réservés (Portugal Vivo®) Ce site ainsi que sa charte graphique sont protégés par un copyright© international qui interdit toutes reproductions mêmes partielles.
La société Portugal Vivo® est habilitée à poursuivre toutes personnes morales ou physiques violant le copyright©
Dans le cadre de la revue de presse, Portugal Vivo utilise des articles ou photos dont il nâ€â„¢est pas lâ€â„¢auteur. Ces éléments restent la propriété de leur auteur. Portugal Vivo cite systématiquement le journal source avec un link vers celui-ci.
Mentions Légales : PORTUGAL VIVO - 102 avenue des Champs Elysées, 75008 Paris - France | SARL au capital de 15.000 ââ€Å¡¬uros - R.C.S. Paris B 441 119 286 | Représentant Légal : Jorge Loureiro | email : net@portugalvivo.com